as

 

 

Welcome to Present Tense | profile | hi5 profile | msn address | e-mail

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

quinta-feira, outubro 28, 2004

um bicho chamado telefonia

Quem me conhece sabe que dentro de mim há um bicho que teima (e ainda bem) em não me deixar em paz. É o tão falado bichinho da rádio que desde sempre me fez sonhar em trabalhar naquele meio. Ainda me lembro das tardes passadas em casa a brincar às rádios com um velho gira-discos e a ler notícas recortadas de jornais, enquanto que o pessoal da minha idade se divertia a jogar à bola (um desporto do qual não sou nada adepto). Não me arrependo do tempo e daquilo que ganhei a ouvir os meus grandes mestres da rádio, as boas referências que me fizeram sonhar e pensar "um dia quero ser como eles". Da mesma forma, não me arrependo da primeira aventura que tive em rádio há pouco tempo atrás (obrigado Chai pela porta que abriste), onde aprendi muito e onde este gosto ainda aumentou mais. Um dia vou voltar, assim espero.

Tudo isto a propósito de uma cadeira de comunicação que estou a ter na faculdade onde se fala destes e de outros assuntos relacionados com os media. Muito sensível que sou a este mundo e às suas problemáticas, confirmo algo que já havia percebido há algum tempo: a rádio perdeu a magia e é hoje mais um produto plástico de uma desenfreada indústria dos cifrões. As pessoas (quem faz e quem ouve) deixaram de ser importantes e desvaloriza-se o potencial que este meio tem em troca de uns estranhos estudos de opinião e umas dicas de uns tais consultores estrangeiros que apenas conhecem técnicas para vender. Mais gritante ainda é deixar cair no esquecimento grandes nomes e valores da rádio que tanto têm a dar (honra seja feita à Antena 3 pela aposta em programas de autor).

Sou louco por rádio, mas tristemente afirmo que ouvir hoje uma qualquer estação é uma chatice. As músicas, além de repetidas até à exaustão, são sempre as mesmas. Não há lugar para inovação, para o improviso e até os erros são ensaiados. Bem sei que o melhor improviso é aquele que está escrito, mas será preciso ir tão à letra?

O bicho continua cá dentro, teima em não sair aguardando ansioso por dias melhores. Até lá, a solução é deliciar-me com as pequenas pérolas que ainda vou encontrando nas ondas hertezianas.

quarta-feira, outubro 27, 2004

porque faz sentido viver o presente

Mais um blog. O meu blog, para falar de mim, do que penso, dos meus amigos, família, sei lá...
Um diário virtual onde se revelam informações criteriosamente seleccionadas.
Porque faz sentido viver o presente, sentir o passado e ir "adivinhando" o futuro!
Aguardo as vossas visitas, comentários, críticas...
Sejam bem-vindos!